10 Erros Comuns na Fotografia de Longa Exposição

10 Erros Comuns na Fotografia de Longa Exposição

Como você já deve ter lido nos meus artigos, para qualquer fotógrafo fazer uma boa foto é necessário antes de tudo dominar a fotometria, e dentre os três principais parâmetros (abertura, velocidade e ISO), a abertura provavelmente irá determinar 90% das suas fotos, isso porque além de ser responsável pela quantidade de luz, ela determina a profundidade de campo, que é o responsável por colocar toda a sua foto em foco, ou criar efeitos incríveis de fundos desfocados e o Bokeh.

E é justamente por isso, que acaba sendo um conceito mais “fácil” de utilizarmos para fotos criativas, esquecendo um pouco do potencial da velocidade para resultados tão incríveis quantos os produzidos pela fotografia. Este artigo também atende a inúmeras solicitações que venho recebendo sobre o tema de longa exposição, e caso você ainda não esteja familiarizado com o termo, ele significa utilizar velocidades muito baixas para conseguir esse efeito de nuvem na água, ou o mais famoso, véu de noiva que você pode conferir neste artigo: Os Segredos Para Tirar Fotografias Impressionantes de Cachoeiras com qualquer DSLR.

O fotógrafo italiano Francesco Gola viaja o mundo dando workshops sobre fotografia de natureza e mais especificamente, fotografias de longa exposição. Então ele resolveu fazer um “joguinho” em todos o workshops de 2015, onde no final, os participantes tinham que escrever em um papel três erros que eles costumavam fazer antes de conseguirem realizar os exercícios propostos para aquele workshop. A lista que segue é o resultado dos 10 principais erros mais comuns na fotografia de longa exposição, feitos por quem está em busca de excelentes resultados. Tenho certeza que você dará mais um passo na sua jornada fotográfica estudando e evitando esses erros.

FG-1

Erro n°1 – Sistema de redução de vibração ligado (estabilizador de imagem)

Há algumas tecnologias adoráveis que podem ajudar a conseguir imagens muito mais nítidas, minimizando os borrões causados pelo movimento da câmera e que são extremamente úteis em condições de pouca luz, onde baixas velocidades do obturador são necessárias. Cada fabricante chama esta tecnologia de um nome diferente, mas o objetivo é o mesmo. Eles podem ser baseados na lente (como para câmeras Nikon e Canon) ou baseados na câmera (como nas câmeras Sony, Olympus e Pentax), mas no final, o resultado é que esta redução de vibração pode fornecer a mesma qualidade de imagem para até quatro níveis menores de velocidade do obturador do que o comum.

Eles usam alguns sensores de movimento para detectarem movimentos e tentam compensar isso movendo um grupo de elementos na lente ou no próprio sensor.

Então, se a câmera estiver em um tripé firme (e se você estiver fotografando com longa exposição, sua câmera definitivamente estará em um tripé!), você não deve esperar nenhuma vibração. Você pode saber disso, mas a sua câmera não, então mesmo se não houver movimento, este sistema anti-vibração pode tentar compensar de qualquer forma, movendo um grupo de lentes (ou o sensor) e isto irá resultar em uma introdução de vibração (e borrões), ao invés da sua remoção.

Então, se a sua câmera estiver em um tripé firme, desligue o sistema anti-vibração!

FG-2

Erro n°2 – Se Esquecer de Usar a Trava do Espelho

Em uma câmera DSLR, a luz viaja pela lente e é enviada para o visor através de um espelho. Quando você aperta o botão do obturador, o espelho é virado para que a luz vá diretamente para o sensor de imagem. Este movimento introduz uma pequena vibração que causará um pequeno borrão na foto.

Para evitar esta vibração, você pode ativar a função de Trava do Espelho em sua câmera. Após sua ativação, na primeira vez que você apertar o botão do obturador, sua câmera irá levantar o espelho; na segunda vez ela irá abrir o obturador. Se você esperar alguns segundos entre o primeiro e segundo aperto do botão, você evitará a vibração!

Sim, se você tiver uma câmera sem espelho (mirrorless), você pode pular este conselho!

Erro n°3 – Não usar um filtro DNG, porque eles são caros

Em algumas situações (em locais onde não há muita diferença na exposição entre diferentes áreas da cena), apenas um filtro de Densidade Neutra pode permitir que você adquira o resultado desejado. Porém, em muitas situações as condições de iluminação requerem o uso de um filtro de Densidade Neutra Graduada para equilibrar a exposição.

Se você estiver usando um filtro ND de rosca, você pode até acreditar que a única chance que você tem é tentar aplicar um filtro DNG na pós-produção – mas você pode estar enganado!

FG-3

Você pode apenas segurar o filtro com a sua mão na frente da lente. Para tirar uma foto com velocidade do obturador de poucos segundos, seu único problema será o alinhamento correto do filtro. Para fotos que levam alguns minutos, mesmo se a sua mão não ficar perfeitamente imóvel, o resultado final será mais do que ótimo – experimente, se você não acreditar em mim. O suporte é necessário se você quiser usar vários filtros juntos (ou quando você começar a ficar com câimbras nas mãos).

Erro n°4 – Configurar a abertura para f/22 para aumentar o tempo de exposição

A regra era simples: se você diminuir a abertura, você aumenta o tempo de exposição.

Com esta regra em mente, você pode pensar que pode transformar a sua exposição de 30 segundos em uma exposição de dois minutos apenas movendo de f/11 para f/22. Teoricamente, você está certo. Infelizmente, há um fenômeno físico chamado difração ótica, que acima de f/16 é intenso o suficiente para arruinar a nitidez de sua imagem.

Se você já estiver em f/11 e precisar de uma velocidade menor do obturador, diminua o ISO, se possível, ou use um filtro mais forte.

FG-4

Erro n°5 – Se esquecer de ajustar o ISO

O ISO pode ser um aliado poderoso em uma exposição longa. Às vezes você esquece da possibilidade de mudar a configuração do ISO, e você brinca apenas com os filtros e aberturas. Lembre-se que todas as câmeras possuem uma abrangência de ISO onde a qualidade final é quase a mesma. Em câmera de alta tecnologia, esta abrangência é geralmente entre ISO 50 e 200.

Isto significa que você possui duas paradas para brincar, e em uma foto de longa exposição, duas paradas significam minutos de exposição.

Erro n°6 – Fotografar como se você estivesse em um estúdio

FG-5

Quando você tira fotos em casa ou sentado confortavelmente em um estúdio, nenhum agente externo pode afetar a qualidade da sua imagem. Mas se você estiver sentado em uma rocha de frente para o mar em um belo dia de tempestade, logo seus filtros ficarão completamente molhados.

Lembre-se de encher sua bolsa com panos de limpeza. Uma fina camada de água em seu filtro externo resultará em uma grande difração, e isto irá arruinar irremediavelmente sua imagem. Nunca subestime a natureza, até mesmo em um dia ensolarado, as condições do tempo podem mudar rapidamente.

Erro n°7 – Escolher um filtro de baixa qualidade

Toda vez que você adiciona um filtro na frente de sua lente, você diminui a qualidade geral do sistema ótico. Sim, algumas marcas de filtros bem conhecidas são muito caras, mas você acredita que vale a pena colocar um filtro de U$5 na frente de uma câmera de milhares de dólares? Não, não vale – então foque-se na qualidade: quanto menos filtros, melhor! Você não precisa de todo o conjunto de densidades para filtros DN e DNG. Tente entender quais filtros você provavelmente usará com mais frequência, e depois lembre-se que você tem ISO e Abertura para mexer para cobrir o que faltar. Por fim, lembre-se que muitos filtros de boa qualidade estão disponíveis a preços acessíveis. Verifique com antecedência as avaliações dos filtros na internet.

FG-7

Erro n°8 – Subestimar o vento

Quando você tira uma foto de longa exposição, sua câmera é exposta a possíveis agentes de vibração externos, por minutos. Até mesmo uma brisa leve de alguns segundos pode arruinar sua imagem. Invista em um bom tripé, e depois coloque-o firmemente no chão. Se necessário, prenda um peso adicional ao tripé, para deixa-lo ainda mais firme e sólido.

Evite usar a coluna central do tripé também – se você levantá-la, você levanta o centro de gravidade do sistema, e ele ficará menos estável.

Erro n°9 – Não cobrir o visor

Você tirou uma foto com exposição de três minutos, e a visualização está cheia de linhas roxas e círculos. Por que?

É porque a luz, assim como a água, adora encontrar um caminho – sempre.

FG-9

Sua câmera deve permitir que a luz passe apenas pelo buraco em sua lente, mas infelizmente, há alguns outros acessos que podem potencialmente prejudicar suas imagens.

O mais comum deles é o visor. Para evitar a infiltração de luz através dele, cubra-o após compor a imagem. Se a sua câmera não possui uma tampa, você pode usar até mesmo uma fita preta. Se você se esquecer da fita preta, use um chiclete. O resultado típico de uma infiltração do visor é um círculo roxo estranho. Sim, se você tiver uma câmera sem espelho (mirrorless), você também estará livre deste problema!

Se você usar um sistema de filtros de encaixe, outra fonte possível é a fresta entre um filtro e o outro (este é um dos motivos pelos quais muitos fotógrafos adoram filtros de rosca). Neste caso, a melhor solução é cobrir esses espaços com fita preta. O resultado típico da infiltração no filtro é uma linha roxa vertical no lado oposto ao do sol.

Por fim, se você usar lentes tilt-shift, ou um adaptador de lente, você pode ter uma infiltração do corpo da lente. A melhor forma de evitar isso é cobrindo a lente com um pano preto.

Erro n°10 – Acreditar cegamente no fabricante de filtros

Quando você compra um filtro ND com seis stops, você espera que ele tenha exatamente a densidade ótica para conseguir uma redução de seis paradas. Infelizmente, isso é um engano. Na minha vida, eu nunca encontrei um filtro com a densidade exata afirmada pelo fabricante. É claro, a diferença normalmente é mínima, mas lembre-se que até mesmo ½ parada de diferença, em uma exposição longa, significa minutos de erro.

Para evitar erros quando você estiver em campo, teste isso antecipadamente, seguindo estes passos:

 

  • Escolha um cômodo em sua casa, ligue as luzes e feche as janelas (você precisa de um lugar onde a iluminação é perfeitamente constante).
  • Monte sua câmera em um tripé e tire uma foto do cômodo até você conseguir uma foto com um bom histograma. Anote todos os parâmetros (ISO/Abertura/Velocidade do obturador) da foto.
  • Monte o filtro ND e compense a velocidade do obturador obtida antes, de acordo com a redução f-stop introduzida pelo filtro.
  • Tire uma foto com o filtro ND.
  • Dê uma olhada no histograma da foto tirada com o filtro e compare-a com o da foto tirada sem o filtro. Se eles forem aproximadamente sobrepostos (exatamente iguais), a intensidade do filtro afirmada pelo fabricante é precisa. Se o novo histograma estiver voltado para a esquerda, o seu filtro possui uma intensidade maior do que aquela declarada; se ele tiver voltado para a direita, ele possui uma densidade menor.
  • Se os dois histogramas não ficarem sobrepostos, tire outra foto mudando a velocidade do obturador para obter um histograma aproximadamente similar ao da foto tirada sem o filtro.

Quando você tiver achado a densidade ótica exata, construa sua própria tabela de conversão da velocidade do obturador. Outra possibilidade é o aplicativo PhotoPills para o iPhone, aquele que permite que você converta a velocidade do obturador para reduções não padronizadas do f-stop.

Fazer fotos de longa exposição com um resultado profissional pode necessitar de muitos ajustes e essas dicas vão ser fundamentais, se você fotografa por hobby, tenho certeza que introduzir esses conceitos o ajudarão a compreender a exposição de uma forma mais ampla e ela se aplicará de alguma maneira naquilo que gosta de fotografar.

Espero que tenha gostado e caso você tenha alguma experiência para compartilhar com a gente, não deixe de postar seu comentário!

Boas fotos e até breve!

 

Imagem destacada: Longa Exposição via Shutterstock

Artigo Original

 

Filtros fotográficos, o que são e pra que servem?

Filtros fotográficos, o que são e pra que servem?

Muitas vezes vemos fotos e achamos que para chegar àqueles resultados precisamos fazer altas pós-produção em programas com o Adobe Photoshop.

Bem verdade que podemos muitas vezes simular vários efeitos na pós-produção, mas existem muitos acessórios  que você pode, e deve, lançar mão pra ter menos trabalho ou até mesmo nem precisar “corrigir” depois, como por exemplo, difusores, tripés, e os… filtros!

Hoje você irá aprender mais sobre os filtros fotográficos: o que são, quais são os seus tipos, qual a sua utilidade e como usá-los.

O que são filtros fotográficos?

Filtros fotográficos, o que são e pra que servem?

Eles são acessórios que, acoplados às câmeras, criam efeitos especiais nas fotos, alterando os controles de luz, cor, ou até mesmo como proteção para a lente. Eles são feitos de gelatina, vidro, cristal ou plástico e na maioria das vezes são circulares.

Para perceber a importância de um filtro fotográfico, faça um teste: tire uma fotografia com um filtro e outra sem. Você perceberá nitidamente a diferença. Lembrando que com o filtro de proteção você não verá diferença alguma, pois ele tem somente um propósito, que será comentado abaixo.

Apesar de favoráveis, seu uso não é obrigatório. Cada filtro tem uma função específica, mas é possível fazer boas fotos sem eles. Muitos fotógrafos não utilizam nenhum filtro e não são favoráveis ao uso, dividindo opiniões com outros profissionais, que são adeptos aos filtros, principalmente aos de proteção.

Quais são os tipos de filtros fotográficos?

São vários os tipos de filtros. Por isso, nos ateremos aos principais, que serão tratados abaixo.

Filtros de proteção: como o próprio nome diz, servem para proteger a objetiva contra quebra, arranhões, poeira ou impressões digitais. Devem ser utilizadas a cada uso e servem somente como proteção, não alterando em nada suas fotografias. Já imaginou fotografar uma festa de aniversário infantil? Crianças correndo, muita gente em um pequeno espaço e seu equipamento recém-comprado ali à mercê de uma batida, quebra ou queda. Nesse caso, você não irá querer se arriscar e, por isso, pode comprar um filtro de proteção.

Filtros fotográficos, o que são e pra que servem?

Filtros UV: também são filtros com finalidade de proteção, mas com um adicional bem interessante: impedem a captação dos raios ultravioleta pelas lentes da câmera. Evitam que este tipo de raio chegue até o sensor ou filme fotográfico, pois além de estragá-los, podem alterar as cores da paisagem na fotografia. Os filtros ultravioleta não alteram nenhuma outra propriedade, mas em fotos no litoral e nas montanhas, por exemplo, fazem a diferença. Imagine uma sessão de fotos feita na praia: o vento poderá respingar gotas de água na lente, sem contar a quantidade de areia que irá voar pra sua preciosa câmera. Com um filtro protetor, ao final das fotos, a lente de sua câmera estará protegida e você poderá lavar com água o filtro, deixando – o limpo novamente. Além da proteção, como já citamos, as cores de sua fotografia serão muito mais reais.

Polarizador: este é um filtro mais avançado, sendo que em breve trataremos dele com um artigo exclusivo. Ideal para tirar o reflexo em fotos feitas em janelas, vidros de automóveis ou vitrines. O filtro polarizador também nos dá a oportunidade de aumentar a intensidade da cor em paisagens. Imagine você fotografar uma paisagem rural e poder tornar o céu mais azul, por exemplo? Com esse filtro é possível. Ele aumenta o contraste entre céu e mar, ressaltando o que você preferir na fotografia. Então, se você gosta de fotografar paisagens ou cenas externas e quer comprar um filtro, prefira o polarizador. As fotos com polarizador são muito fáceis de enxergar a diferença das que não o possuem, pois o que se perde com os reflexos, se ganha em contraste e saturação de cores. Com certeza suas fotos ficarão mais nítidas e com cores muito mais brilhantes.

Filtros ND ou neutros: possuem densidade neutra e alteram a quantidade de luz que entra na objetiva da câmera. Se você deseja fotografar com tempo de exposição mais longo, é interessante reduzir a quantidade de luz. Este filtro tem essa finalidade de redução e, com ele, você estará seguro em fazer fotos com exposições longas, sem risco de queimar suas fotografias. Costumamos dizer que a câmera possui um acessório acoplado: óculos de sol, pois agem nas câmeras de modo semelhante aos óculos solares nos olhos de uma pessoa.

Este é um exemplo de foto com e sem filtro ND que fica no site dos filtros Lee.

Filtros fotográficos, o que são e pra que servem?

Como usar os filtros fotográficos?

Lembre – se de usar sempre filtros com boa qualidade em suas fotografias, para que realmente façam a diferença e atinjam o objetivo desejado. Você deverá comprar um filtro compatível ao diâmetro de sua lente, pois ele será rosqueado nela. É fácil de achar, procure um número expresso em mm, geralmente na parte frontal de sua máquina. Alguns filtros não são rosqueados, e sim encaixados na base. A vantagem do encaixe é a rapidez na troca de filtros, dependendo da necessidade de uso.

Como citado no início, alguns fotógrafos preferem usar câmeras sem filtros. Isso porque as alterações podem ser feitas em programas editores de imagens. A vantagem de se utilizar um filtro é que você verá logo as mudanças, tendo que fazer menos modificações nas edições de fotos.

Existe filtro pra minha câmera?

Hoje em dia dificilmente você não encontrará filtros, como eles são fabricados de acordo com o mm da lente e nem todas as lentes seguem o mesmo padrão, você pode buscar por adaptadores, os “step up” e “step-down”.

Alguns modelos de câmeras vendem filtros específicos para elas, e aí eles só servem para aquela lente daquele modelo, como no caso de algumas bridges (superzoons) e mirrorless.

E pra reforçar, faça comparações entre marcas e, se possível, pesquise em fóruns quem já utilizou o modelo que você quer comprar e principalmente fique atento ao equipamento que está usando o filtro.

Digo isso porque quando quis comprar um filtro polarizador, um amigo americano que na época usava um equipamento top de linha, incluindo lentes avançadas, usava um polarizador de u$4.00 sem problemas, mas descobri que a diferença às vezes desses de u$4,oo para os de U$80,00, pode ser justamente a qualidade ótica que poderia influenciar negativamente a qualidade ótica da minha lente  que não era top como a dele!

Plus!

E pra dar um “plus” neste artigo, eu fiz essa videoaula de como simular os filtros ND e Polarizador no Photoshop para corrigir o excesso de luz do céu em uma foto, assim você pode entender melhor como eles trabalham, ou até decidir se prefere simulá-los ao invés de usá-los 🙂

Boas fotos!

Abraços,

Assinatura Simxer - Autora do Foto Dicas Brasil