Erros – Se aproveite das minhas falhas!

Erros – Se aproveite das minhas falhas!

Olá fotógrafo!

Meu foco aqui no Foto Dicas Brasil é voltado pra fotógrafos iniciantes e hobbystas e percebo um crescente interesse de muitos em fazer eventos, ou profissionalmente, ou como treino pra futuramente poder cobrar, por isso achei muito pertinente compartilhar a minha experiência nesse processo, espero que seja útil, aliás, serve pra outras áreas também!

Eu realmente fiquei tentada em colocar um número específico de erros pra escrever esse artigo, mas conforme ia pensando naqueles que eu já cometi, comecei a perceber que foram muuuitos, resolvi então fazer uma compilação daqueles que, quando não repeti ou converti em acerto, me trouxeram maiores benefícios.

Considero a fotografia uma profissão bem peculiar, acredito que se compare até a outras áreas criativas, mas tenho a clara impressão de que o mundo é habitado, em sua maioria, por fotógrafos, e tenho certeza que se você está aqui, também tem uma sensação parecida 🙂

Uma vez decidi que iria fazer um bolo de aniversário (e eu sou péssima cozinheira, já comentei isso antes) e fui pesquisar na internet como se cozinha, confeita e decora um bolo infantil… Tragédia total claro, mas o que mais me espantou foi o fato de ter zilhões de sites ensinando passo a passo como realizar tal façanha e na época me pareceu que o mundo era exclusivamente habitado por confeiteiras, e fotógrafos, é claro! E apesar do meu resultado ter sido pífio, eu tenho total convicção de que só consegui chegar até o fim porque um dos artigos era pontuado com as possibilidades daquilo que poderia dar errado (e muitos passos deram), e isso foi o que mais me ajudou a corrigir e a me preparar para o que podia dar de errado, assim também diminuir a minha expectativa e conseguir ficar feliz com o resultado.

Acredito que devam existir erros comuns pra quem está começando na fotografia profissional e até mesmo aqueles que só a tem como hobby, e vou listar aqui alguns cometidos por mim. Pode ser que você ainda não tenha passado por eles, e quem sabe evitá-los pode ser uma boa ideia.

Vou tentar fazer uma lista dos erros mais técnicos para os mais filosóficos.

BACKUP

backup_Erros_se_aproveite_das_minhas_falhas

Você está pensando, ahhh isso é óbvio! Fico feliz por você, porque pra mim era mais uma questão de fé, não sei bem em quê, mas era. Então não bastava somente não replicar os arquivos em outros hd´s, eu criei o “saudável” hábito de juntar mais de um evento fotográfico em um único cartão. E como era questão de crença, não de inteligência, eu até acabei nunca perdendo um HD antes de criar o hábito do backup, simplesmente porque antes eu perdi um cartão com 3 eventos juntos! Porque eu não tirei cada evento assim que terminei? Oras, porque eu estava muito ocupada! Não deu tempo e tenho certeza que esse artigo é muito pequeno pra caber aqui todas as minhas explicações que na época pareciam tão legítimas… mas não eram. Bom, passado o desespero inicial e as inúmeras tentativas de recuperação com tutoriais e programas da internet e até com empresas especializadas que pra pagar a recuperação das fotos, eu precisaria vender-todo-meu-equipamento, acabei ganhando de presente do meu sócio – esse sim, um cara super-hiper-mega precavido – um programa chamado Stellar Phoenix Photo Recovery, que recuperou TODAS as minhas fotos!!!! E a felicidade foi tão imensa que NUNCA mais deixei de fazer backup! Tenho vários HD´s e cartões para esse fim, mesmo tendo o programa aqui, porque vai que ele não funciona…

VERIFICAR O EQUIPAMENTO

Checklist_Erros_se_aproveite_das_minhas_falhas

Provavelmente você já se esqueceu de alguma coisa, seja lá o que tenha sido, e se estava com sorte, isso só te trouxe um aborrecimento, senão, provavelmente trouxe junto um prejuízo! Bom, eu sofro da “maldição do portal”, ou seja, cada vez que passo por um, seja o da sala, do quarto ou do escritório, eu esqueço absolutamente o que estava pensando sem a menor chance de me lembrar daquela coisa importantíssima que eu jamais esqueceria! E a maneira como finalmente resolvi esses transtornos, tipo ficar olhando a mochila com cara de tacho à procura das pilhas que ficaram no carregador em casa (bom, pelo menos não me esqueci de carregá-las, não é?) foi com os meus imprescindíveis CHECK LISTS!

Como exemplo, segue abaixo o check list tipico de um dia de workshop de fotografia em grupo, em que a parte teórica é dada em sala de aula e a parte prática é ministrada ao ar livre.

Check list workshop

  1. Projetor 
  2. Cabos (alimentação e vídeo)
  3. Tela projetor 
  4. Extensão
  5. Benjamim
  6. Máquina fotográfica
  7. Bateria máquina fotográfica
  8. Pilhas do flash
  9. Algodão (pra troca de data do banner)
  10. Caneta pilot (pra troca de data do banner)
  11. Óculos
  12. Certificados
  13. Lista de presença
  14. Pesquisa de satisfação
  15. Pen drivers
  16. Conteúdo do projetor
  17. Carregador celular
  18. Sucos
  19. Água
  20. Café
  21. Cafeteira
  22. Dinheiro trocado pros ingressos
  23. Dinheiro do local
  24. Repelente
  25. Blocos
  26. Canetas
  27. Guia de bolso
  28. Chaves de casa

Deu pra perceber que tem de tudo, mesmo que pareça óbvio, eu escrevo conforme eu vou me lembrando e depois vou refinando, sempre preferindo pecar por excesso.  Funciona!

PASSAR ORÇAMENTO OU VALOR SEM BRIEFING

Briefing_Erros_se_aproveite_das_minhas_falhas

Existe uma expressão que os arquitetos costumam ouvir que é “frita um projeto aí pra mim”, e eles respondem obviamente que “bolinhos” é que se fritam. Só quem escreve, desenvolve ou cria conteúdos sabe que é humanamente impossível fazer rapidinho qualquer coisa (de qualidade) e talvez uma das maiores bobagens seja “fritar” um briefing.

Simplificando pra quem não está acostumado com o termo, briefing nada mais é do que aquela reunião ou conversa com seu cliente pra descobrir EXATAMENTE o que ele quer de você, incluindo as coisas mais básicas como local do evento, número de pessoas, até as mais importantes como o gosto dele, a expectativa do resultado e às vezes até de como você deve se comportar.

Por exemplo, quando alguém me pergunta se posso cobrir um evento, eu já tenho na cabeça algumas informações básicas pra poder então determinar minimamente um preço do tipo “é a partir de tanto”. Por exemplo:

  1. O que é o evento (casamento ($$$$$), aniversário de 15 anos ($$$$), cobertura de palestra ($$$$), cobertura de uma Copa do Mundo ($$$$$$$$$)
  2. Pra quantas pessoas: 40, 100, 500? Dependendo do tamanho tenho que contratar um segundo fotógrafo ($$$$)
  3. A data, se é de urgência ($$$$), se é pro ano seguinte ($$)
  4. O local se é no Rio ($), São Paulo ($$), Marte ($$$$)
  5. O horário e a duração do evento.
  6. Como essas fotos serão entregues, só DVD, Book ou serão disponibilizadas na internet…

E mesmo com anos de experiência, às vezes na insistência do cliente você cai em umas boas roubadas! Descobri na prática que é melhor desenvolver técnicas investigativas pra descobrir todos os detalhes de um trabalho, do que ter que desenvolver a constrangedora capacidade de dizer pro seu cliente que você cobrou errado, e até lá, você ainda amarga uns prejuízos em nome do seu ego  😉 Ou seja, não tenha vergonha de perguntar!

ORÇAMENTO EVASIVO

Orçamento__Erros_se_aproveite_das_minhas_falhas

Mesmo depois do briefing detalhado, você pegar aquele orçamento batido e enviar, provavelmente o seu cliente vai perceber que é mais um na sua rede. Eu sei que fazer orçamento dá trabalho, mas acredite, faz parte do seu trabalho também! A minha dica é sempre personalizar.

Eu uso a seguinte estrutura nos meus orçamentos (ou como gosto de chamar, Proposta de Cobertura Fotográfica) que sempre mando num arquivo .pdf

1. Uma foto dentro do contexto (a que eu mais gosto do meu portfólio para aquele tema)

2. Descrevo o contexto – Seja ele qual for, procuro imaginar porque o cliente quer fazer aquelas fotos e a partir daí determino a importância, por exemplo em um ensaio de gestante eu posso escrever: “Os ensaios fotográficos de grávidas feitos em estúdio são uma ótima maneira de guardar para sempre esse momento que é único na vida não só de todas as mulheres, mas também de toda família e é nesse clima especialíssimo que procuro registrar todos os ângulos dessa experiência única”…

3. Descrevo o Escopo do trabalho – o que é o trabalho, em quanto tempo será feito, o que está incluído. Exemplo:

i. Ensaio fotográfico em estúdio em até 3 horas, com produção de maquiagem incluída. ii. Todas as fotos recebem tratamento básico do photoshop. iii. 20 fotos para tratamentos mais avançados de photoshop a escolha do cliente. iv. Book com 30 páginas e em média de 45 fotos (abaixo seguem as opções)

4. Descrevo o Cronograma – Exemplo:

i. O Ensaio poderá ser marcado de acordo com a disponibilidade da agenda. ii. As fotos são entregues em até 7 dias úteis para escolha das fotos que receberão tratamento avançado e estas entregues em até 4 dias úteis, totalizando em 11 dias úteis. iii. O Cliente terá até 14 dias para a escolha das fotos do book e o mesmo será entregue em até 30 dias.

5. Depois em itens separados descrevo o investimento e formas de pagamento.

6. E por último, mas não menos importante, coloco uma foto minha  e falo um pouco sobre minha experiência e alguns links dos meus portfólios. Se você ainda não tem experiência, fale da sua paixão pela fotografia e como você trabalha, ou qualquer coisa parecida, mas dê ao seu cliente uma oportunidade de conhecer você minimamente.

FOLLOW UP

Followup_Erros_se_aproveite_das_minhas_falhas

Como você viu, o briefing é trabalhoso e o orçamento idem, e é assim porque justamente você tem interesse em fazer o trabalho! Pra isso você precisa da maior quantidade de informação possível sobre, não só o trabalho, mas também do cliente pra poder criar um orçamento justo que atenda a ambas as partes.

É aqui no follow-up, que nada mais é que retornar pro seu cliente pra saber o que ele achou do seu orçamento, se por acaso está com alguma dificuldade em que você possa ajudar. É nesse momento que você vai ter a maior chance de conquistar ele. É um terrível engano achar que só  mandar um orçamento, que particularmente você acha que á a última Coca-Cola do deserto, vai estar com seu cliente garantido. Bom, só pensamento positivo também não funciona, eu já tentei 🙂

Uma boa técnica é já deixar pré agendado quando que VOCÊ vai ligar pra saber a resposta, dê uns dias pra ele pensar, mas jamais deixe em aberto do tipo, “tá bom, eu espero sua resposta”! O interesse é seu! E provavelmente ele tem outros fotógrafos pra fazer o mesmo trabalho, então vai gostar de perceber que você realmente está interessado. Aliás, prepare-se para renegociar os valores, faz parte também desse processo 😉

CONTRATO

Contrato_Erros_se_aproveite_das_minhas_falhas

Sempre feche negócios, por menores que sejam, com um contrato! E dependendo do cliente, o termo “contrato” pode até assustar, então basta explicar que é só um “termo de compromisso”. Já ouvi muitas vezes me alertarem que cliente não é amigo, ou é amigo até acontecer algo de ruim, bom, eu prefiro acreditar que são amigos sim, afinal se você não pode trabalhar com seus amigos, não é com seus inimigos que você irá, né?  😉 E pra que assim permaneça, um contrato sempre é bem vindo.

Você pode baixar aqui uma versão do meu contrato comentado, já que com os anos eu tive que ir melhorando ele porque toda vez que dava alguma coisa errada, eu corrigia na próxima versão. Se você tiver alguma sugestão, sempre é bem vinda!

TERMO DE AUTORIZAÇÃO DE USO DE IMAGEM

copyright_Erros_se_aproveite_das_minhas_falhas

O mesmo caso do contrato (que já tem uma cláusula para o uso de imagem em portfólio). Eu disponibilizei junto com o contrato, uma versão mais abrangente, confesso que o único caso que tive problema, estava sem o termo… e claro que nunca mais deixei de usá-lo 🙂

Essas foram as lições que mais me marcaram nesses anos de fotografia, provavelmente existem muitos outros erros que impactaram na minha carreira em graus diferentes, mas esses definitivamente me ajudaram a conquistar mais clientes e confiança. Que venham os outros e que eu erre só uma vez 😉

Lembrando sempre que críticas, sugestões, correções e opiniões são sempre muito bem-vindas!!

Vamos juntos!

Texto que escrevi originalmente para o  Fotografia-DG
O Raw e a Sopa

O Raw e a Sopa

Nos meus tempos de Fotografia amadora, o raw era um mistério e mesmo hoje em dia com minha experiência profissional, continuo lendo artigos que são de difícil compreensão, muito técnicos.
Hoje quero falar com aqueles que são iniciantes e que ficam na dúvida se o raw pode ser pra eles.

Eu sempre faço uma analogia do raw com a… sopa! Que é o seguinte, o raw (que significa cru) são legumes para uma sopa e o JPEG é a sopa pronta de saquinho, é claro que eu tenho muito mais possibilidades de ter um resultado melhor (e mais saboroso) se eu fizer a minha sopa com legumes selecionados e usando a minha experiência culinária, do que simplesmente ferver uma água, e cozinhar uma sopa pronta de saquinho perdendo sabores e qualidades. A questão aqui é: Eu sei cozinhar? Porque quando falamos em raw, estamos falando de um arquivo que te dá muito mais possibilidades de um bom resultado do que o JPEG, mas para isso você vai ter que aprender um pouco mais do mais do que simplesmente ferver uma água.

Mas o que o raw afinal? É como um negativo digital, esperando ser interpretado da maneira como você quiser. Um arquivo que contém todos os dados da imagem captados pelo sensor sem nenhuma perda, e aqui já cabe uma observação de que quanto melhor sua máquina, melhor o raw captado por ela. A profundidade de cor também é muito melhor, um JPEG de 8 bits resulta em 256 cores, ou seja, cada pixel pode guardar um canal com 8 bits de vermelho, 8 de azul e 8 de verde (2 elevados a 8 = 256!) e as imagens raw tem de 12 ou 14 bits (4.096 a 16.384). Isso tudo traz vantagens preciosas para edição da foto, já que você pode trabalhar profundidade de cor, balanço de branco, até exposição sem perder praticamente nenhuma qualidade, o que não dizer que não deva se preocupar em fazer a foto o mais correta possível na hora, mas muitas vezes estamos em condições de luz e equipamentos que não nos permite a melhor foto naquele momento.

Só vantagens? Não, os arquivos são bem maiores e todos precisam ser “revelados” em um programa que tenha algum plug-in para interpretar o raw, por exemplo, o Adobe Camera raw no photoshop, ou o Adobe Photoshop Lightroom, entre outros.

A minha experiência é a seguinte: Eu fotografo em raw, mas mesmo em câmera profissionais onde o resultado das imagens JPEG é ótimo (e dão menos trabalho de “revelação”.), o raw é superior! No workshop que ministro para amadores, recebo muitas vezes arquivos de máquinas bridges e semiprofissionais em raw e sempre depois de revelado no computador a qualidade é superior ao JPEG da mesma máquina.

Minha conclusão é que se você só quer registrar o momento sem muita preocupação com o resultado, vá de sopa de saquinho, mas se seu interesse é tirar o melhor da sua máquina fotográfica, prepare o livro de culinária, ponha o avental e mãos à obra! Desvende o raw, ele pode ser muito útil quando tiver visitas para o jantar.

Qual o melhor equipamento pra mim?

Qual o melhor equipamento pra mim?

Uma das questões mais angustiantes para quem quer aprender a fotografar acho que é saber qual o melhor equipamento. Não estou falando daquele refinamento de qual é a melhor lente pra especialidade que quero abraçar, falo do que depois de alguns anos vai parecer quase bobo, mas que no começo faz com que muitos fiquem com equipamentos que dificultam fazerem as melhores fotos.

Esse fluxograma vai ajudá-lo a descobrir qual o caminho seguir.

 

Qual_o_melhor_equipamento_pra_mim_FDB

 Clique para aumentar a imagem

Resistente (Tough)

São câmeras à prova d’água e à prova de choque, mas ainda pequenas e leves pra caberem no bolso. Muitas destas câmeras digitais difíceis também apresentam grandes botões de controle e botões que são mais fáceis de acessar e usar com luvas ou fotografar em condições adversas de temperatura ou tempo.

Prós

  • Pode ser usada na chuva ou embaixo d’água
  • Fáceis de usar
  • Resistentes à água, queda poeira e gelo

Contras

  • São totalmente automáticas
  • Qualidade de imagem inferior às compactas equivalentes
  • Zoom limitado

 

Alguns exemplos:

  • Olympus TG830
  • Canon Power Shot D10
  • Olympus Stylus Tough-8010
  • Panasonic Lumix DMC-TS3

 

Compacta

São Câmeras também chamadas point-and-shoot (aponte-e-dispare) ou saboneteiras, desenvolvidas para operação simples. Possuem lente fixa com foco automático ou modos de foco e exposição pré-definidos.

 

Prós

  • Fáceis de carregar
  • Relativamente baratas

 

Contras

A qualidade da imagem não é tão boa quanto às máquinas mais avançadas que ela.

 

Exemplos:

  • Canon ELPH 310 HS
  • Sony Rx100
  • Panasonic ZS20
  • Canon S110

 

Compacta Avançada

São câmeras que possuem muitos controles, os automáticos, que permitem tirar uma foto instantânea, e também o modo manual, que dá total controle a quem está fotografando e sabe tirar o melhor dessas configurações.

 

Prós

  • Sistemas ópticos e sensores superiores
  • Controle total
  • Tamanho pequeno

 

Contras

  • Podem ser bem caras
  • São pequenas, mas não o suficiente para caber no bolso
  • As lentes são fixas

 

Exemplos:

  • Fujifilm X100
  • Nikon P7100
  • Canon G1x

 

Super Zoom

São câmeras que possuem, como o nome diz, um zoom muito grande, chegando a 15x, 20x, até 30x de zoom ótico. Possuem o corpo bem maior que as anteriores e alguns comandos manuais além de todos automáticos.

Prós

  • Grande Zoom ótico.
  • Ideal pra quem quer a qualidade da compacta com um pouco mais de zoom

 

Contras

  • Qualidade de imagem a desejar na maioria das distâncias focais em relação às máquinas superiores
  • Controles manuais de difícil acesso
  • Normalmente é necessária muita estabilidade pra se ter alguma vantagem de fotografar com zoom

 

Exemplos:

  • Fujifilm FinePix HS30EXR
  • Canon PowerShot SX40
  • Nikon Colpix P510
  • Sony HX100V

 

CSC (Compacta de lente intercambiáveis)

São câmeras que juntam o melhor das compactas (tamanho, peso) e das DSRL, ou seja, trocam de lente e possuem sensores de alta qualidade, controle total no modo manual e ainda mantém os controles automáticos. A ideia seria uma câmera para fotógrafo iniciante, ou mais portabilidade para os profissionais.

Prós

  • Pequenas, fáceis de carregar
  • Funções manuais, ideal para os mais avançados
  • Funções automáticas, ideal para iniciantes

 

Contras

  • Podem ser caras quando comparadas às outras câmeras
  • Ainda possuem poucos acessórios à disposição.
  • Difíceis de manuseio quando usadas com lentes grandes.

 

Alguns exemplos:

  • Sony NEX C3K
  • Nikon J1
  • Olympus PEN E-PM1
  • Panasonic Lumix GF3

 

DSLR ou Câmera Reflex

São câmeras que unem controles totalmente manuais e uma seleção de modos automáticos. Os grandes sensores das DSLR conferem qualidade superior na maioria das situações, desde fotografar com pouca luz até gravar um vídeo HD. Lentes intercambiáveis permitem que elas sejam câmeras versáteis. Diferentes acessórios possibilitam vários tipos de fotos.

Prós

  • Modos manuais e avançados permitem ótimas fotos
  • Melhor qualidade de imagem
  • Disponibilidade de muitos acessórios

 

Contras

  • É preciso dominar o modo manual
  • São caras comparadas aos outros tipos de câmeras
  • Melhor resultado com acessórios extras como lentes e flash externo.

 

Alguns exemplos:

  • Canon Rebel T4i / EOS 650D
  • Nikon D7100

 

Algumas observações que considero importantes:

Pra quem gosta de fotografar, o compromisso maior sempre será a foto! Existe um caminho a percorrer pra evolução técnica, mas será que você precisa percorrê-lo? Conheço algumas pessoas que mandam muito bem com suas Câmeras phones e ultra Compactas e que perdem sua criatividade quando se vê as voltas com configurações de abertura, velocidade, ISO, entre outras. E outras pessoas que evoluem surpreendentemente quando sai do modo automático (aliás, isso é recorrente lá no workshop que ministro).

Então, se você manda bem com seu atual equipamento, continue mandando, se acha que pode mandar melhor com equipamentos mais avançados, escolha lá em cima qual o melhor pra você, e DOMINE-O, seus olhos vão agradecer.