Como a Distância Focal Afeta o Que (e Como) Você Vê

Como a Distância Focal Afeta o Que (e Como) Você Vê

Sua escolha de distância focal afetará o que você vê. Você concorda com isso? E se eu também dissesse que sua escolha de distância focal afetará como você vê?

Essa é a proposta do artigo de John Bosley, um fotógrafo de casamentos e retratos de São Francisco em que ele aborda um tema muito útil para todos os fotógrafos iniciantes, mas antes deixa eu fazer um resumo do que é distância focal, caso você ainda não esteja familiarizado.

Distância ou comprimento focal, é o alcance da lente, pegando como exemplo uma lente de Kit, como a 18-55mm, quanto maior o último número, mais fechado será o campo de visão, ou seja, mais zoom terá a sua lente. E quanto menor o primeiro número, mais aberto será esse campo de visão, enquadrando mais da cena. Então basicamente uma lente 18-55mm, enxerga mais campo de visão do que uma lente 28-135mm, porém, a segunda lente tem maior alcance do que a primeira.

Como são lentes de kit, elas estarão sendo usadas em câmeras cropadas, então esses números são outros e eu já falei sobre fator de corte aqui no Foto Dicas Brasil, mas pro nosso entendimento deste artigo, ficaremos no entendimento mais básico. Aqui embaixo tem uma imagem pra você entender melhor.

 

 

Bom, dizer que a distância focal afeta o que você vê, é uma história completamente diferente, não é? Ao invés de discutir como a distância focal afeta sua visão quando você olha pelo visor, eu quero falar sobre como a distância focal pode afetar como você olha para tudo ao seu redor antes mesmo de você ver pelo visor.

Diferentes distâncias focais terão diferentes campos de visão. Para simplificar, digamos apenas que elas “verão” a mesma cena de forma diferente. Aqui está um exemplo:

20mm f/1.8 @ 20mm, ISO 200, 1/3200, f/4.0 © John Bosley

Esta lente de 20mm fornece uma visão bem ampla de São Francisco. Há diferentes motivos pelos quais as pessoas podem preferir essa distância focal para uma cena como esta: ela pode mostrar quão vasta é a cidade; ela pode ser bem minimalista; ela pode incluir um céu dramático para complementar os prédios.

135mm f/2 @ 135mm, ISO 200, 1/3200, f/4.0 © John Bosley

Outras pessoas podem preferir a visão mais estreita que eu consegui com minha lente de 135mm. Mais uma vez, há diferentes motivos pelos quais alguém possa preferir esta distância focal para uma cena como esta: partes da cidade, até mesmo prédios em particular, podem ser facilmente isolados; você não se sente tão removido da cena; você pode preencher o enquadramento quase completamente com prédios, cortando a maior parte do céu, se você quiser.

É claro, a melhor parte da fotografia é que não há resposta certa ou errada. Você pode não gostar de nenhuma das duas distâncias focais ou pode gostar das duas. Você pode ter um motivo completamente diferente dos que eu listei acima. E quer saber? Está tudo bem!

Mas… vamos voltar ao ponto do artigo, certo? Se eu colocar uma lente com distância focal maior (105mm, 135mm, 200mm, etc….) e andar por uma cidade ou paisagem, eu estou procurando por coisas muito diferentes do que se eu estivesse andando com uma lente com distância focal menor (14mm, 18mm, 24mm, etc….). Por exemplo, com uma distância focal maior, eu poderia estar procurando por detalhes interessantes que podem se destacar sozinhos. Eu nem estou mais olhando para prédios ou cenas inteiras. Eu estou procurando por placas de neon, maçanetas, gravações, troncos de árvores e pequenas flores.

135mm f/2 @ 135mm, ISO 200, 1/640, f/4.0 © John Bosley

 

135mm f/2 @ 135mm, ISO 200, 1/640, f/4.0 © John Bosley

 

135mm f/2 @ 135mm, ISO 200, 1/250, f/5.6 © John Bosley

 

Com uma distância focal mais ampla, eu estou procurando mais por cenas “grandes”. Os pequenos detalhes não me interessam mais, já que eu sei que eles ficarão perdidos na imagem.  Agora eu estou olhando para os prédios, o céu e como tudo trabalha junto no enquadramento. Eu estou olhando para paisagens. Pequenos grupos de flores não me interessam, mas campos inteiros de flores sim.

35mm f/1.4 @ 35mm, ISO 200, 1/60, f/4.0 © John Bosley

 

20mm f/1.8 @ 20mm, ISO 200, 1/800, f/5.6 © John Bosley

 

Então, aqui está o meu desafio para você. Da próxima vez que você estiver fotografando por diversão, limite-se a uma distância focal. O ideal seria escolher uma distância focal de um extremo ou do outro (telefoto ou ampla) para que você seja forçado a ver o mundo com olhos diferentes do normal. Se você estiver usando uma zoom, mantenha-a configurada a uma distância focal o tempo todo.

Outra opção seria pegar uma lente macro ou um tubo de extensão e se aproximar de seus alvos. De repente, um simples jardim possui oportunidades infinitas para fotos. Uma cidade ganha vida com textura. Você acha que ignorou a imagem completa com uma distância focal maior? Com uma lente macro, você está repentinamente olhando para uma flor individual perfeita para fotografar.

135mm f/2 + tubo de extensão 20mm @ 135mm, ISO 400, 1/400, f/4.0

Este pode ser um exercício muito construtivo (e desafiador) se você estiver acostumado a usar uma distância focal “normal”, como 35mm ou 50mm. Tirar o cérebro do modo 50mm pode ser muito difícil!

Este é um exercício que eu tenho feito de tempos em tempos e eu sempre me impressiono em como começo a notar as coisas que eu passei perto centenas de vezes e nunca notei antes. Não só você começará a ver as coisas de modo diferente, como também pode começar a pensar de forma diferente!

Alguns meses atrás, um amigo estava visitando São Francisco, e ele trouxe a lente Tamron 15-30mm, então é claro, eu tive que fazer um test drive com ela. Eu a mantive em 15mm o tempo todo em que fotografei e levou um tempo para o meu cérebro se ajustar a quão amplo isto realmente é. Enquanto eu estava em uma esquina esperando para atravessar a rua, um cara muito estiloso se aproximou de mim, parou e começou a checar seu telefone. Imediatamente, meu cérebro passou para o modo 15mm e eu notei que eu poderia fotografar o cara, a cidade e até mesmo os cabos de energia que estão pendurados nos postes! Apesar dele estar parado apenas uns 50 cm de distância, eu fui capaz de tirar rapidamente esta foto que simplesmente não seria possível com uma distância focal maior. Esta é uma imagem da qual eu me orgulho muito, nem tanto pelo conteúdo ou composição, mas porque eu fui capaz de combinar o potencial de uma cena com o equipamento que eu tinha disponível e criar uma imagem em minha câmera que eu inicialmente visualizei na minha cabeça.

15-30mm f/2.8 @ 15mm, ISO 200, 1/250, f/5.6 © John Bosley

 

Aqui está um último conselho, se você decidir experimentar isso e sair com apenas uma lente (principalmente se você estiver acostumado a ter uma variedade de distâncias focais com você o tempo todo)… Não se preocupe com as fotos que você perdeu porque não tinha a distância focal certa com você. Isto é algo que irá acontecer. Ao invés disso, apenas curta a experiência de ver o mundo de uma forma diferente da qual está acostumado. Há uma boa chance de você voltar com imagens diferentes das quais está acostumado também.

Conclusão

 

Aqui no site eu busco sempre passar o máximo da parte técnica essencial pra que você se torne um bom fotógrafo, da mesma forma como faço em todos os meus cursos, e uma vez que você já aprendeu como fotografar e pós-produzir suas fotos, é importante que você experimente outras visões, outras possibilidades e amplie ao máximo seu conhecimento, só assim, você finalmente descobrirá o tipo de fotógrafo que realmente é.

Compartilhe comigo o que você achou da experiência, eu vou adorar saber!

Vamos juntos!

 

Artigo original: PotographyLife.com

Imagem em destaque: Olhos – Shutterstock

 

10 Perguntas Para Fazer Quando For Tirar Uma Foto

10 Perguntas Para Fazer Quando For Tirar Uma Foto

Quando você fotografa, no que você pensa? Quais os cuidados você tem para conseguir um bom resultado? Você se faz alguma pergunta conscientemente?

Este é o tema do artigo do Darren Rowse, e o que eu achei mais legal é que conforme vamos ganhando experiência, essas e outras tantas perguntas ficam automáticas na hora de conseguir um resultado realmente incrível, eu já disse algumas vezes que o mesmo acontece com a fotometria, conceito essencial para qualquer bom resultado! No início você fica lá olhando e se perguntando quanto de ISO afinal vai usar, ou ainda se é velocidade alta ou baixa, e abertura então? leva um tempinho. Aí você fotografa, fotografa, fotografa e um belo dia como no filme “Matrix” você passa enxergar números ao invés de “motivos”, e isso torna-se algo natural, é como quando alguém te pergunta uma conta muito simples como 3 x 5, a esta altura você responde de pronto: 15! Não precisa mais fazer a conta, já está mais que registrado o resultado.

Na fotografia não é diferente, toda a parte técnica precisa ser estudada e praticada até ficar automática em você e só então você poderá desenvolver a sua parte artística, ou pelo menos, poderá expressá-la de forma mais consistente.

E é para ajudar na segunda parte da sua foto (a primeira é a técnica) que este artigo traz perguntas simples, mas muito eficientes. Fiz vários complementos que achei necessário e estão destacados.

Vamos, lá?

10 Perguntas Para Fazer Quando For Tirar Uma Foto

 

O que passa na sua cabeça no momento em que você levanta a sua câmera para fotografar e antes de apertar o obturador? Se você for como muitos fotógrafos digitais, você não está pensando em muita coisa – você só quer capturar o momento e depois seguir em frente.

Porém, adquirir o hábito de fazer algumas perguntas simples pode ajudar a levar suas imagens para o próximo nível. Aqui estão 10 perguntas para adquirir o hábito de se fazer enquanto você prepara suas fotos. Eu incluí alguns links para você ler mais sobre os tópicos. Eu espero que você ache isso útil:

1. Que história eu estou contando?

Pedido-de-Casamento

Pedido de Casamento via Shutterstock

 

Esta é uma pergunta importante e que deve ajuda-lo a tomar várias decisões em relação à composição, enquadramento, exposição, etc. Basicamente, o que você está perguntando é, ‘Por que eu estou tirando esta foto? Qual é o seu propósito e o que eu estou tentando apresentar?’ Isto é apenas uma forma de manter um registro de um momento, você está tentando capturar a emoção de um momento, isto é possivelmente uma foto para dar a outra pessoa, isto é parte de uma série maior de fotos ou será a única foto para comemorar o momento, etc.

Simxer.: Você já tentou passar tudo que gostaria com uma foto simplesmente? Estamos acostumados a tirar milhões de fotos, e de publicar também, mas se perguntou que se você só pudesse tirar uma única foto, ou mostrar uma foto somente de algum evento, essa foto conseguiria expressar o que você achou realmente? Experimente, vá a um aniversário e faça 1 foto, depois mostre a alguém e peça para essa pessoa descrever os sentimentos que aquela foto remete, se ela chegar perto, você está no caminho!

2. Qual é o ponto focal visual desta foto?

Barco-de-papel

Barco de papel via shutterstock

 

O que os espectadores desta foto naturalmente irão olhar nesta cena? Assim que você tiver identificado este ponto focal, você pode pensar em onde coloca-lo no enquadramento (considere a regra dos terços, por exemplo).

3. Quais pontos focais estão competindo entre si?

Feliz-aniversário

Feliz Aniversário via shutterstock

 

Assim que você tiver identificado o que você quer que seus espectadores vejam e tiver colocado isso no enquadramento – passe seus olhos pela foto e veja se há pontos focais competidores e pergunte a si mesmo se eles adicionam ou atrapalham a imagem? Pontos focais secundários podem adicionar profundidade às fotos, mas eles também podem distrair, então você pode precisar se reposicionar ou ajustar sua distância focal e/ou profundidade de campo para acomodar ou removê-los de suas fotos. Além disso, lembre-se que se sua foto tiver mais de um ponto focal, pode valer a pena tirar duas fotos, uma com cada ponto focal, para simplificar as coisas.

Simxer: Este talvez seja o maior pecado que comentemos quando estamos iniciando, vemos uma cena linda e na hora de enquadrar, queremos colocar tudo ao mesmo tempo, afinal, tudo é lindo, mas aí a foto perde o sentido, vira um registro técnico do lugar. É preciso escolher seu ponto focal, mesmo que pra isso você tenha que desfocar ou até eliminar do quadro imagens bonitas, mas que não conversam com o que você quer mostrar.

4. O que está no plano de fundo e no primeiro plano?

Café-expresso

Café expresso via shutterstock

 

Um dos locais mais comuns para distrações na fotografia digital é o plano de fundo de suas fotos. Passe seus olhos sobre o espaço atrás de seu motivo e veja o que mais há na imagem (faça o mesmo com o primeiro plano). Considere se você quer o plano de fundo em foco ou borrado (desfocado).

Simxer: Aqui, mais no que na 3ª pergunta, cabe a observação de que “distração” neste caso, pode significar algo que vá estragar sua foto. Eu tenho dois exemplos que me ensinaram a ter um olhar muito mais observador. 

No primeiro casamento que fiz, ainda sem muita experiência, fui fotografar o local da cerimônia que era deslumbrante! Fiquei encantada com toda a decoração, além do próprio lugar. Para fazer fotos diferentes, consegui me posicionar bem acima de um dos locais que estavam mais bonitos e fiquei fazendo dezenas de fotos de todos os ângulos, inclusive com iluminações diferentes. Quando fui separar as fotos pra entregar, percebi que havia uma caixa de papelão horrível em TODAS as fotos! Como ela havia parado ali? O fato é que depois de editar mais de 100 fotos para removê-la, nunca mais deixei de dar uma “olhada” no primeiro e segundo plano para certificar se está tudo certo!

O segundo exemplo não foi uma foto minha, mas de uma amiga que havia criado uma arte e distribuído. Quando me mostrou, a foto que era de uma mulher de costas em uma praia paradisíaca, perguntei porque aquela bolsa “esquisita” estava na foto, e ela me perguntou, que bolsa? Havia uma bolsa enorme bem no canto inferior da foto que aparentemente ninguém havia visto na hora de fotografar, editar e imprimir.

Bom, acredite, olhar os quatro cantos do seu visor (ou LCD) antes de fazer a foto, pode te poupar bastante dor de cabeça e ainda te assegurar um resultado bem mais legal.

5. Eu estou perto o suficiente?

Borboleta

Borboleta via shutterstock

 

Outro erro comum na fotografia digital é tirar fotos onde o seu motivo está pequeno demais no enquadramento. Fotos que preenchem o enquadramento com o seu motivo tendem a ser muito mais dinâmicas e a mostrarem muito mais detalhes. Para conseguir este efeito, você tem a opção de se aproximar, mover seu motivo para mais perto ou usar um comprimento focal maior para o efeito de proximidade.

Simxer: Como já dizia o mestre Robert Capa: “Se suas fotos não são boas o suficiente, você não está perto o suficiente.”  Costumo enfatizar muito isso em meus Cursos Online, muitas vezes ficamos quase obcecados com lentes com alcances cada vez maiores, câmeras de zilhões de zoom ótico, quando em muito casos o que precisamos é simplesmente dar alguns passos em direção ao nosso motivo!

6. Qual é a principal fonte de luz?

Luz-vermelha

Luz vermelha via shutterstock

 

Sempre leve em consideração como o seu motivo está iluminado. Sem luz você perderá detalhe e clareza em sua imagem e sua câmera terá que compensar fazendo coisas como aumentando o ISO ou baixando a velocidade do obturador (o que pode criar imagens borradas e com ruído). Qual é a principal fonte de luz, de onde ela está vindo, há luz o suficiente, você precisa de fontes de luz artificiais (flash, etc.), você precisa estabilizar sua câmera em um tripé para impedir que ela se mova devido à pouca luz?

Simxer: Luz é definitivamente algo que não devemos negligenciar, e o que percebo na minha experiência é que muitas vezes achamos que precisamos fazer a foto com as condições locais e ponto. Na verdade o que precisamos é utilizar de todos os recursos que pudermos e principalmente sermos criativos. Quando se deparar com alguma dificuldade, ou um local escuro demais, pense um minuto, veja se realmente não há alguma fonte de luz que pode ajudar você a conseguir um resultado melhor. Já fiz verdadeiros milagres com janelas escondidas e lanternas.

7. Meu enquadramento está reto?

pôr-do-sol

Pôr do Sol via shutterstock

 

É incrível como boas fotos são estragadas por um enquadramento levemente torto. Horizontes em declive e pessoas ou prédios levemente inclinados devem sempre ser verificados.

Também relacionado a esta pergunta está, “Como Segurar uma Câmera e Tirar Fotos Mais Precisas”. Muitas pessoas não seguram corretamente a câmera, e como resultado sofrem com movimentos da câmera e erros no enquadramento.

Simxer: Como você pode ler no artigo que indiquei acima, eu já tive um “grave” problema de enquadramento com minha primeira câmera! Minha vida era recortar para reenquadrar na pós-produção. Eu fazia o enquadramento, olhava o quadro inteiro e estava tudo ok, mas quando via a foto ela estava invariavelmente com mais espaçamento de um lado do que de outro. Foi uma saga tentando descobrir o “problema” da câmera, até que um dia um amigo, também fotógrafo, me perguntou se eu não estava com algum vício de postura. Confesso que minha primeira reação foi achar que era impossível!

Mas comecei a observar atentamente toda minha postura e descobri que como eu na maior parte do tempo (ou sempre) fotografava maquiada, e por instinto não encostava o olho no viewfinder (visor ótico da câmera) pra não sujar de rímel, e essa pequena distância era o suficiente para mudar SEMPRE o enquadramento das minhas fotos!

Corrigida a postura, magicamente as fotos saíam corretas. 

Algumas câmeras possuem uma “ajuda” mostrando no visor ou LCD se a foto está enquadrada corretamente ou não, minha dica é não abrir mão daquilo que pode facilitar e às vezes determinar um resultado melhor, ou pelo menos evitar algumas horas de pós-produção, mas na ausência disso, se apoie em alguma linha da cena, geralmente tem alguma reta em um dos 4 lados que pode te orientar melhor.

8. Com que outras perspectivas eu poderia capturar este motivo?

Avião

Avião via shutterstock

 

Geralmente se você colocar 10 fotógrafos iniciantes na frente de uma cena,  a maioria deles irá tirar exatamente a mesma foto e na mesma posição. Faça suas imagens se destacarem da multidão se desafiando a não tirar apenas fotos padrões que todo mundo irá tirar, e sim encontrar ângulos e perspectivas criativas e novas para fotografar.

Simxer: Você que já acompanha o Foto Dicas Brasil, sabe que sempre reafirmo nos meus artigos a importância de ter um olhar diferenciado, de como a perspectiva é a regra de composição que considero mais importante e que pode trazer resultados incríveis, por isso não deixe de praticar e você pode aprender mais com o artigo: “Domine a perspectiva como elemento de composição“.

Existe um exercício específico que fazia com meus alunos em que eu pedia para eles fazerem uma foto criativa de um local do Jardim Botânico, uma ponte, e em 98% das vezes, as fotos são muito parecidas, e eu sempre brinco que não pode ser simplesmente um registro, porque isso o Jardim Botânico tem um monte. Depois eu mostrava somente os 2 melhores resultados que dois alunos tiveram em centenas de alunos.

A lição que podemos tirar disso é que realmente é muito desafiador você conseguir olhar diferente, mas não é impossível, porque depois desse exercício eu percebo claramente como as fotos passam a ter uma sutileza no enquadramento, ou uma tentativa de sair do óbvio. Buscar isso pode ser a diferença de ser mais um na multidão, ou aquele que realmente se destaca! Pense nisso.

9. Como segurar a câmera em outro formato mudaria esta foto?

Torre-Eiffel

Torre Eiffel via shutterstock

 

Muitos fotógrafos adquirem o hábito de sempre segurarem suas câmeras da mesma maneira (horizontalmente/paisagem ou verticalmente/retrato). Embora não tenha problema ter uma preferência, também vale a pena lembrar que mudar o formato pode mudar drasticamente o impacto da foto. Não se esqueça que você também pode segurar sua câmera em um ângulo diferente para alcançar um resultado eficaz.

Simxer: É muito mais impactante ver a Torre Eiffel em um enquadramento bem diferente do que estamos acostumados, não que as clássicas fotos estejam erradas ou ruins, mas é sempre bom testar outros ângulos, não acha?

10. Como o olho irá viajar por esta imagem?

Rua-Colorida

Rua colorida via shutterstock

 

Isto está relacionado com as perguntas sobre pontos focais, mas também está relacionado com o fato de que enquanto você está fotografando uma imagem imóvel, os olhos de seus espectadores não se mantêm imóveis conforme eles olham para uma imagem. As pessoas tendem a seguir linhas e são atraídas por formas e cores, então considerar esses diferentes elementos visuais pode ajudar a melhorar muito suas fotos. Este artigo pode ser um ponto de partida: “Aprenda a Usar o Ponto de Fuga Como Elemento De Composição“.

Conclusão

 

Você provavelmente não se lembrará de todas as perguntas e dificilmente irá passar por cada uma delas com cada foto que você tirar – porém, da próxima vez que você sair com sua câmera digital, concentre-se em se perguntar pelo menos uma ou duas delas conforme você tira suas fotos. Conforme você fizer isso, notará que isso se tornará mais automático e com o tempo você irá naturalmente tirar fotos que levam em consideração todos esses elementos.

E você? Faz alguma outra pergunta na hora de fotografar? Gostaria de acrescentar alguma dica?

Espero que tenha gostado do artigo, compartilhe-o e deixe sua opinião aqui nos comentários, é muito importante para nós!

Grande abraço, e até breve!

Imagem destacada: Fotógrafo pensando via Shutterstock

Artigo Original

 

Evite os 10 Erros Mais Comuns na Hora de Comprar uma Lente

Evite os 10 Erros Mais Comuns na Hora de Comprar uma Lente

Ah, as lentes! Objetos de desejo de muitos, principalmente quando estamos começando na fotografia e temos a impressão de que quantas mais tivermos, melhor! Olhamos para a lente do Kit com aquela sensação de que não passa de um peso de papel.

Acontece que pra quem adquire uma câmera com a lente 18-55mm, por exemplo, a mais comum em nossos Kits aqui no Brasil, e começa a estudar, logo percebe que o range (extensão em milímetros, do menor para o maior, que uma lente proporciona na variação da distância focal) pode ser um pouco frustrante, principalmente pra quem está migrando de uma câmera compacta ou uma superzoom. E mesmo a lente sendo excelente e possuindo uma ótima qualidade ótica, precisamos considerar que ela normalmente será usada em câmeras que possuem fator de corte, e por isso, acabam com um range curto, e deixando a desejar, ou pelo menos, a estranhar, as possibilidades de alcance.

E dependendo das possibilidades econômicas, a ideia mais comum é pensar em comprar outra lente! Só que neste ponto estamos sujeitos a cometer muitos erros, um após o outro, então se você está pensando em trocar de lente, independente da distância focal da sua, ou acabou de adquirir uma e não sabe muito bem se foi um bom negócio, este artigo é pra você. Se ainda não pensou em trocar de lente ou comprar outra, este artigo poderá ser muito útil um dia também 😉

 1. Ansiedade

GarotanaInternet

Garota na Internet via Shutterstock

 

Definitivamente não é uma boa conselheira na hora de comprar uma lente, afinal você precisa estar atento se você realmente precisa de uma nova lente e principalmente se precisa agora! Tenha em mente que lentes são ferramentas que poderão lhe ajudar a conquistar alguns tipos de fotografia mais específicos, ou pelo menos, facilitar a conquista deles, mas se acabou de comprar um equipamento novo, domine-o primeiro, e aí então parta para a escolha de uma nova lente, assim terá mais chances de conseguir fazer essa escolha com mais segurança.

 2. Comprar por Comprar

 

Adoraria poder dizer que uma lente melhor nos faz fotógrafos melhores… Na verdade nos torna um fotógrafo mais completo, capaz de cobrir mais situações, mas não nos garante melhores resultados, a não ser que você saiba exatamente o que está fazendo com aquela lente específica!

Quando vemos os anúncios nas revistas, na internet, todas parecem incríveis e lindas, mas é preciso muito cuidado pra essa nova lente não se tornar mais um peso na mochila, é vital resistir à tentação de ter mais uma “para a coleção”, e se aprofundar nas características de cada uma.

 3. Não entender o Comprimento Focal

 

Talvez este seja o erro mais comum quando estamos começando. É importante entender pra que serve o comprimento focal, quais as finalidade de cada um deles. Ouvimos falar que a lente 50mm 1.4 é incrível, mas o que realmente significa o 50mm?? É comum ouvir de alguém que possui uma lente 28-135mm, por exemplo, que precisa de uma lente 50mm para fazer retrato, mas a milimetragem 50 está dentro da lente 28-135mm. Se a necessidade é por causa da abertura, que influencia a profundidade de campo, ok, mas em termos de comprimento focal, não seria necessário!

A imagem abaixo mostra quais os comprimentos focais das lentes e o ângulo de visão alcançado que é justamente o que influencia mais no Estilo Fotográfico. Você vai poder perceber que elas se dividem em Super Grande Angular, Grande Angular, Normal, Teleobjetiva e Super Teleobjetiva. Distancia-focal

Tenha em mente que mesmo podendo fazer qualquer tipo de fotografia com qualquer lente, cada uma delas foi desenhada para um objetivo em particular. Mesmo que você possa fazer um retrato com uma lente grande angular, terá melhores resultados com uma objetiva mais curta como a 85mm, por exemplo.

Na imagem a seguir, criei um resumo de alguns objetivos pra você se orientar de acordo com o comprimento focal. Assim já tem uma ideia dos usos mais comuns e fica mais fácil entender para que serve cada um.

Distancia-focalPorEstiloFotográfico

Fique atento, apesar de serem mais indicados, não é uma regra inflexível, você pode fotografar uma paisagem com uma teleobjetiva como a 70-300mm, mas dificilmente você terá uma foto como esta aí debaixo, somente com uma grande angular 😉

© Atif Saeed

© Atif Saeed

 4. Não Fazer Uso Correto de Cada Lente

 

Para quem está iniciando é uma excelente ideia ter uma lente mais versátil, aquelas que possuem ranges maiores (mesmo que isso signifique menos qualidade ótica), visto que para perceber essa diferença leva algum tempo e um olhar mais treinado.

Lentes como a Canon 18-135mm, ou Nikon 18-105mm trarão mais conforto pra iniciantes porque não requerem troca de lentes emquanto se está fotografando, visto que elas pegam de um comprimento focal grande angular à meia-tele. Então se você decidir fazer um investimento em alguma lente mais específica, assegure-se de usá-la!!

É um erro muito comum, mesmo com uma 50mm 1.8 no case, vejo alguns fotógrafos perdendo excelentes oportunidades porque a troca de lentes é trabalhosa. Tenha disposição e faça o seu investimento valer a pena.

5. Não Saber o Estilo Fotográfico que quer

Fotógrafo

Fotógrafo Via Shutterstock

 

Mesmo sendo natural não saber no início da nossa jornada fotográfica exatamente qual o estilo fotográfico que queremos abraçar, se é retrato, paisagem, macro, esporte, fotografia noturna, pets, entre outros, é preciso testar os vários tipos antes de investir em mais uma lente. Com as lentes mais versáteis dá pra arriscar quase todos os estilos, mas com a 18-55mm, por exemplo, você terá dificuldades em fotografar a vida selvagem, ou simplesmente pássaros, já que o alcance de zoom é bem pequeno, mesmo com o fator de corte aplicado!

6. Não buscar fotos com as lentes pretendidas

 

Uma coisa simples de se fazer é conhecer os resultados fotográficos das lentes que queremos, pra isso podemos olhar os sites de reviews como o Dpreview, ou melhor ainda, o Flickr ou 500px. Muitos fotógrafos deixam o Exif das fotos disponíveis, permitindo você ter uma ideia do que pode conseguir.

7. Não Considerar outras Marcas

camera

Câmera via Shutterstock

 

A tendência é sempre olharmos lentes de acordo com a marca da nossa câmera, ou porque achamos que são melhores, ou porque não conhecemos bem outras marcas. Existem várias empresas que fabricam lentes para outras marcas, principalmente de câmeras Canon e Nikon e desde que sejam compatíveis com as suas câmeras, muitas oferecem lentes a um preço mais baixo, e para inciantes que querem testar outros ranges, pode ser uma excelente pedida! Essas são marcas conhecidas de outros fabricantes: Sigma, Tamron, Tokina, Zeiss  ou Samyang.

8. Não Considerar Lentes Usadas

 

Esse é outro erro bem comum, já que existem lentes de excelentes qualidades e que permanecem assim por uma vida! Eu mesma já tive uma Tokina que comprei usada e que me foi muuuito útil, e quando deixou ser, vendi pra outro fotógrafo que a usa há anos e está muito feliz!

Claro que como qualquer objeto usado, você precisará ficar atento à procedência, e de preferência testar a lente pra ver se está tudo nos conformes, botões, controle de foco, diafragma, etc. E considerar o custo x benefício. A grande vantagem é que lentes, se bem cuidadas, costumam ter uma vida útil incrível, ao contrário das câmeras fotográficas.

9. Não buscar informação sobre os tipos de lente

detalhes-de-lentes

Detalhes de Lentes Via Shutterstock

 

As lentes não se resumem ao comprimento focal, existem muitas outras características que podem ser determinantes para a sua escolha, além do tipo “macro”, “clara”, “fixa”, etc. E sim, pode ser muito confuso entender, por exemplo, aquela sopa de letras que vem escritas nelas. Aqui você encontra praticamente tudo o que elas querem dizer, é importante ficar atento a algumas dessas siglas, como estabilizador de imagens, se a lente é para uma câmera cropada ou full-frame, entre outras, mas não se preocupe, está tudo escrito nela!

10. Acreditar que o mais caro é o melhor

Dinheiro

Dinheiro Via Shutterstock

 

Como você já percebeu, uma lente para ser boa para você, é necessário o estudo de muitas características. O fato da lente ser cara, não significa que ela será útil na fotografia que está buscando, ou pior, talvez não seja a melhor opção dependendo da sua câmera. Por isso não se guie somente pelo valor quando pensar em qualidade, é importante ter em mente as dicas deste artigo, além de buscar a opinião de outros amigos fotógrafos.

Conclusão

Garota-Feliz

Garota Feliz Via Shutterstock

 

Todos esses erros são mais comuns do que podemos imaginar, e como já disse em outros artigos, lente é um investimento muito importante para nossa jornada fotográfica, é preciso estudar sua câmera ao máximo e depois partir para este investimento. Espero que com este artigo, você tenha mais elementos (sem trocadilhos) para trocar sua lente.

Então, você já passou por essas dúvidas? Lembra de algum outro erro que não está aqui? Não deixe de compartilhar sua opinião, é muito importante para nós.

Um grande abraço e até breve!

 

Imagem em destaque Fotógrafo segurando a câmera via Shutterstock